Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Fauna e Flora..belas fotos...incentivos para o concurso?

outeiroseco, 09.01.10

 

Um dos locais que merece uma visita é a Fundação Serralves, no Porto, na zona da Foz, que para além da Casa da Quinta, tem um espaço exterior de vários hectares arborizado e ajardinado e como ponto de visita obrigatório é o Museu Serralves que tem exposições permanentes.  Na exposição que está, patente ao público retiramos este cartaz que entendemos partilhar convosco, pela qualidade artística, mas sobretudo pela beleza visual. Aqui pode-se inspirar para tirar bonitas fotos para o concurso, agora que o sol nos vai brindando com alguns raios e esperamos que a Primavera logo venha. Assim se pode admirar melhor o nosso ambiente que, visto com mais atenção, tem surpresas admiráveis. Por certo que algumas fotos que aqui trazemos se podem encontrar na nossa zona…é preciso olhar com pormenor.

Por isso desfrute destas belas imagens, motive-se para tirara umas fotos (fauna e flora são dois temas do nosso concurso de fotografia do Blog) e já agora se não for pedir muito comente as duas questões formuladas (em francês).

Bom fim de semana e os habituais agradecimentos a todos que quotidianamente ajudam a construir este espaço de intercâmbio social, informativo, lazer e quem sabe cultural (será?).

O Rio Pequeno

outeiroseco, 07.01.10

Abrimos um novo capítulo neste Blog através da publicação de textos de interesse público e sobre temáticas locais, de forma a enriquecer o seu conteúdo. Desta forma convidamos os nossos comentaristas a enviarem textos que abordem temas da nossa terra. Estes textos serão publicados de uma  forma periódica (por ex: 15 em 15 dias).

O 1º é do amigo Nuno tendo partido partiu dele esta ideia, à semelhança que se vai fazendo em alguns blogues de grande actividade.

 

"Os registos cadastrais denominam-no por Ribeira da Torre, porque o seu caudal não flui permanentemente durante o ano, mas para os outeiros secanos, será sempre o rio pequeno, já que o rio grande é o Tãmega, onde desagua.

O rio divide a aldeia em diagonal do lado norte ficam os bairros do Eiró e do Penedo, do lado sul os bairros do Papeiro e do Pontão. O verde dos amieiros que lhe demarcam as margens, dão à aldeia um ar bucólico, que ajuda a esbater alguma da urbanidade em que esta se tem vindo a transformar.

O ciclo repete-se anualmente, por meados do outono, nasce lá para os lados do São Caetano, entra no nosso termo por entre as gargantas do Cabeço e do Cotete, passa pelo Vale do Boi, Serragem e Fontaínha e corre depois em remanso pela aldeia até ao início do verão, altura em que o estio o faz secar.

Apesar da sua sazonalidade, o rio teve no passado uma maior interacção com a vida social e económica da nossa população, senão vejamos;

 Tinha no seu pequeno curso dois moinhos, o moinho da Arreona, explorado por naturais de Bustelo com ramificações familiares à nossa aldeia, e o moinho das Freiras, primeiro, propriedade do Morgado, depois da família Montalvão. No seu leito são ainda visíveis várias represas, que desviavam do leito do rio a água para os lameiros. Essa água circulava por abertas feitas a braço humano tipo canais. Os lameiros, na primavera produziam erva verde para o gado, e com a ajuda da rega ainda se renovavam para se colher o feno no verão. Já no perímetro da aldeia nos terrenos confinantes, regavam-se por processos artesanais, como ao baldão ou a garabano, as hortas donde saíam os produtos hortícolas como; alfaces, feijão, cebolas, pimentos, tomates etc., para alimentação.   

O rio contribuía ainda de outras formas para a economia doméstica. Nas margens havia lavadouros, onde as mulheres lavavam a roupa familiar da semana. Para o efeito, usavam um sabão mesclado de cor vermelho e branco, e uns caixotes de madeira de forma triangular, normalmente feito pelos maridos, onde apoiavam os joelhos. Os lavadouros, uns eram naturais e outros eram adaptados. Os naturais eram pequenas fragas que havia nas margens, os adaptados eram feitos com pedras de superfície plana, deslocadas para o efeito.

Ao longo do rio havia pequenas colónias de lavadouros, os primeiros ficavam logo por baixo das poldras da Fontaínha. Um pouco mais abaixo, havia os lavadouros do Papeiro, de um lado e do outro da ponte. Mas era junto à ponte da Sra. do Rosário, onde havia um maior número de lavadouros.

A sua ocupação era por ordem de chegada, contudo nesta zona havia como que uma clara separação inter bairros. As mulheres do Eiró, lavavam sempre do lado de cima da ponte, e as mulheres do Pontão faziam-no do lado de baixo. Nos Pelâmes e no rigueiro do Pontão, havia também algumas pequenas colónias de lavadouros.

A lavagem da roupa era uma tarefa exclusiva das mulheres e das raparigas, lavavam a roupa e discutiam coisas das suas vidas e das vidas dos vizinhos, dando razão ao célebre ditado “lavar a roupa suja”.

Era do rio que saía a alimentação para dezenas de patos e gansos, que da ponte do Sabugueiro às Fontainhas, o utilizavam como seu habitat. Faziam-no de forma autónoma sem qualquer guardador, retirando do rio o seu sustento diário. Á noite era um prazer vê-los de regresso à casa dos donos. Vinham em bando por grupos de famílias, de papo cheio e a grasnar, perfilados como  uma banda de música em arruada, no dia da festa.

É no mês de Março que se faz a desova dos peixes, e se agrupam em cardumes. A este fenómeno os populares chamavam “pegar a rasca”. Havia no nosso rio lugares específicos onde este fenómeno ocorria, um deles era por cima das poldras do Papeiro. Apesar da pesca ser proibida, havia sempre pescadores furtivos, e um deles era António Roxo, dono de uma chumbeira que mandara fazer ao Picó Cão. Na altura da “rasca” lá ia ele de noite ao Papeiro. Fazia um lance metia o artefacto num saco, e era já em casa que fazia que recolhia o peixe. Rara era a vez que de um único lance, não tirasse peixe para uma refeição.

Mas havia outros pescadores na aldeia, por exemplo José Jarós o latoeiro, com oficina junto à igreja. Na primavera como o serviço era pouco, da parte da tarde o tio Jarós abandonava o ofício, e na companhia do seu vizinho Zé Barroco, mais conhecido por Malgueiro, lá iam cada um com a sua cana pelo carreiro dos Pelames á pesca. Os dois eram coxos e faziam um quadro um pouco grotesco, porque na sua marcha cada um torcia-se para o lado oposto, mais pareciam um par a dançar mas desajeitado.

O nosso rio tinha ainda uma função lúdica. Na Fontaínha e no lugar dos Pelâmes eram até à década de sessenta, autênticas praias fluviais. Durante a sesta e enquanto não botavam as crias, a garotada tomava banho num fundão que havia em frente à horta do Bouças, onde agora o Carlos Xavier construiu a sua casa.

Depois do banho limpavam-se às suas próprias roupas batendo com elas no corpo, expelindo as maleitas para casa dos ricos dizendo – Maleitas, maleitas para casa do Doutor. Maleitas, maleitas para casa do Costa. Maleitas, maleitas para casa do Afonso. O pior era quando as maleitas eram para casa das Sevivas, estas que estavam sempre por cima, de atalaia a guardar a fruta da quinta, em especial da que pendia para cima do rio, afinavam e devolviam indignadas as maleitas para casa de quem lhas desejava.      

Hoje tudo isto é saudade. Em meados de outono o rio continua a nascer lá para os lados do São Caetano, mas o ciclo da vida á sua volta é que já não é o mesmo. Já não há peixes nem patos nem gansos no nosso rio, os moinhos estão em ruínas, os lameiros estão abandonados, as mulheres só lavam a roupa em casa com Skip, e os garotos já não tomam banho na Fontaínha e nos  Pelâmes.

Pese embora todas estas contingências, fruto do progresso dos nossos dias, o rio pequeno continua a ser o nosso orgulho e um dos mais belos postais de Outeiro Seco.

Outeiro Seco tem um rio

Que seca sempre no verão

Mas não seca em nós o brio

De ser teu filho, isso é que não.

 
Nuno Afonso dos Santos
 

Dia de Reis. Muitas histórias para contar

outeiroseco, 06.01.10

Hoje a comunidade Cristã comemora o dia de Reis. Os menos jovens bem se lembram deste dia, pelas histórias contadas pelos mais idosos, à lareira e pelo cantar dos Reis. Este ritual era enquadrados em grupos dos mais pequenos (durante a tardinha que recebiam figos secos, doces, e por vezes algum dinheiro) e dos mais graúdos que com a ajuda de alguns instrumentos musicais visitavam as casas dos amigos (eram convidados a entrar e com a mesa posta confraternizavam, levando ainda no saco um salpicão, linguiça…e dinheiro). Enfim, outros tempos..agora são as organizações de solidariedade e culturais que se encarregam de manter essa tradição, mais para arrecadar uns fundos para as suas organizações. Na vizinha Espanha hoje é um dia importante, equivalente ao nosso Natal…distribuição de prendas.

Descrevemos um pouco da origem desta efeméride, mas contamos sempre com a ajuda dos comentaristas para partilhar algumas histórias à volta deste acontecimento.

“Os

 

 

 

Reis Magos são personagens que vieram do Oriente, guiados por uma estrela, para adorar o Deus Menino, em Belém. A designação "Mago" era dada, entre os Orientais, à classe dos sábios ou eruditos. Já o apelido de "Reis" foi-lhes atribuído em virtude da aplicação liberal que se lhes fez do Salmo 71,10. Ignora-se a providência dos Reis Magos, mas supõe-se que fossem da Arábia, tendo em conta os dons oferecidos (ouro, incenso e mirra).

Quanto ao número e nomes dos

 

 

 

Reis Magos são tudo suposições sem base histórica. Foi uma tradição posterior aos Evangelhos que lhes deu o nome de Baltasar, Gaspar e Melchior.

 

 

O dia de Reis celebra-se a 6 de Janeiro, partindo-se do princípio que foi neste dia que os Reis Magos chegaram finalmente junto ao Menino Jesus.

 

 

Olá Carlos...um feliz dia de aniversário

outeiroseco, 05.01.10

Hoje é aniversariante o amigo Carlos Xavier. Este blog tem um dedinho adivinhador e soube deste dia especial na sua vida ...Pois em nome pessoal e deste Blog apresento os mais sinceros parabéns e os desejos de uma vida muito feliz e repleta dos maiores sucessos.

Como a amizade com o Carlos e família é já longa, estabelecida em diferentes facetas, sendo que as relações familiares, desportivas, associativas e ultimamente as lides autárquicas cimentaram  as nossas relações de amizade, que espero se perpetuem no tempo.

Para hoje e sempre desejo que continues a ser fiel aos teus princípios de honestidade e competência.

Para mostrar a imparcialidade deste blog aqui fica a devida homenagem ao teu Clube do coração.

A Casa de Cultura foi a eleições no Domingo

outeiroseco, 04.01.10

Ontem, realizaram-se eleições para os Corpos Dirigentes da Casa de Cultura para  o biénio 2010/2011, sendo candidata uma única lista. Conforme publicado, no final do acto eleitoral, que decorreu na mais perfeita normalidade, registaram-se os seguintes resultados – 66 votos  (63 na Lista A e 3 brancos). Faltará agora a tomada de posse e a apresentação do Plano de Actividades.

Da parte deste Blog apresentamos os parabéns ao novo elenco directivo e votos dos maiores sucessos para bem da cultura, do desporto e do lazer da nossa comunidade, disponibilizando este espaço para publicitação das suas acções.

Quem é esta cara linda? Prémio para quem acertar

outeiroseco, 03.01.10

A preparação do 1º encontro dos amigos do Blog “Tradição e Modernidade” está em marcha…local de realização (sugestões?)…concurso de fotografias (já pensou nisso?)…feitura do livro de fotos antigas (colabore..envie-nos fotos antigas e/ou escreva um artigo)…logótipo (aceitam-se propostas..colaboramos no arranjo gráfico) e as lembranças para os que acertarem nas fotos…espero que tenham registado os vencedores….

Pois hoje aqui vos mostro uma conterrânea nossa, que é preciso descobrir de quem se trata. Não posso dar pistas…mas a foto já tem assim …como …uns vinte anos? Vamos lá…se é familiar tenha um pouco de paciência e deixe que alguém adivinhe…obrigado pela colaboração.

Aproveito para agradecer as mensagens de bom ano retribuindo-vos com tudo que de melhor esperais para 2010.

As "bombas" do amigo Costa

outeiroseco, 02.01.10

Conforme prometi em intervenção anterior neste blog eu prometi publicar umas autenticas bombas. Também adverti que algumas das pessoas que visitam este blog, talvez, ficassem surpreendidas e fizessem uma cara de espanto ao ver as tais bombas. Também, julgo eu, que estivessem à espera de outras fotos para abrir polémica principalmente a alguns anónimos.
Agora, porventura, vão rir um bocadinho por que não era isto que estavam à espera mas como esta quadra festiva também é sorriso, espero que sorriam, já que eu pessoalmente não tive essa felicidade do riso.

As fotos são autênticas bombas e a camioneta no seu tempo, acredito plenamente que assim, seria popularmente designada atendendo aos serviços que prestava. As outras já só fazem parte do nosso imaginário. Também peço a todos os BLOGUISTAS que se porventura conheceram alguma delas que contem algum episódio que se calhar tiveram com elas. Outro pedido é que contem ESTÓRIAS do célebre POÇO DA BOMBA.
Também quero deixar aqui o meu sincero agradecimento a todos(as) que através deste espaço tem manifestado para comigo provas sinceras de SOLIDARIEDADE. MUITO OBRIGADO por isso.
Para terminar desejo a todos muita saúde e alegrias para 2010.
Voltarei em breve porque: OUTEIRO SECO TEM PINTA.

José Costa

Conforme prometi em intervenção anterior neste blog eu prometi publicar umas autenticas bombas. Também adverti que algumas das pessoas que visitam este blog, talvez, ficassem surpreendidas e fizessem uma cara de espanto ao ver as tais bombas. Também, julgo eu, que estivessem à espera de outras fotos para abrir polémica principalmente a alguns anónimos.
Agora, porventura, vão rir um bocadinho por que não era isto que estavam à espera mas como esta quadra festiva também é sorriso, espero que sorriam, já que eu pessoalmente não tive essa felicidade do riso.

As fotos são autênticas bombas e a camioneta no seu tempo, acredito plenamente que assim, seria popularmente designada atendendo aos serviços que prestava. As outras já só fazem parte do nosso imaginário. Também peço a todos os BLOGUISTAS que se porventura conheceram alguma delas que contem algum episódio que se calhar tiveram com elas. Outro pedido é que contem ESTÓRIAS do célebre POÇO DA BOMBA.
Também quero deixar aqui o meu sincero agradecimento a todos(as) que através deste espaço tem manifestado para comigo provas sinceras de SOLIDARIEDADE. MUITO OBRIGADO por isso.
Para terminar desejo a todos muita saúde e alegrias para 2010.
Voltarei em breve porque:
OUTEIRO SECO TEM PINTA.

José Costa

Um abração João Santos

outeiroseco, 01.01.10

No 1º dia do ano estava mesmo para não fazer “rien”  e o post de ontem assentava bem hoje, decidia-me para o manter. Mas eis que inesperadamente apareceu nos comentários os parabéns ao meu grande amigo João Santos. Desde já um forte abraço de parabéns e os desejos que hoje e sempre a tua vida corra bem e sejas muito feliz. Eu e o João temos muitas coisas em comum, …família, professor/aluno, Casa de Cultura, politica, futebol..sei lá ..muitos amigos comuns…que a amizade perdure por muitos anos.

Não sei se fui feliz com o post… mas onde me encontro não tenho outras imagens para te lembrar coisinhas boas e como sei que gostas muito do FCP ….. Desculpa para todos que não partilham dos nossos gostos….mas hoje que nos perdoem este partidarismo.

 

Pág. 3/3