Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

Queiram aceitar a graça

De facto ainda não estamos na festa. Mas o que aconteceu é que estava a revisitar algumas fotos e deparei com esta. Achei curioso pois não descobri o Sr Padre que, como é tradição, vai recolhido no Palio. O mais certo é quem os amigos iam a perder terreno e o Sr Padre foi andando pois o caminho é longo. Para o ano a Comissão de Festas tem de convidar outros colaboradores com mais músculo e pé mais ligeiro.
Queiram aceitar a graça....

sinto-me:
publicado por outeiroseco às 19:11
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
Domingo, 7 de Fevereiro de 2010

O Dr. Costa tem saudades destes tempos

Mais uma foto para recordar. Nem poderia vir em melhor hora, pois estava ansioso para ver o meu Porto, vou ao email e deparei com esta foto enviada pelo amigo Costa. Relembro aqui o contributo que deu na construção da sede Social, marco fundamental para a nossa Casa de Cultura, para além de outras actividades desenvolvidas em simultâneo. Grande grupo de trabalho onde as pessoas se empenhavam com elevado espírito de solidariedade, de amizade e de animação. E aqui o Dr. Costa era exímio nas ideias, na sua operacionalização e sobretudo na animação de grupo (sempre bem disposto e com muitas histórias para contar). Aqui em plena acção, enviou-nos esta foto e um pequeno texto que transcrevemos “Pois bem o post publicado tinha o nome de: "quem não se lembra disto?"
Costuma dizer-se que recordar é viver e por isso mesmo é que não resisti a enviar esta fotografia que é um bocado mais antiga do que aquela que foi publicada. Vamos recordar os tempos passados quanto mais não seja lembrar melhores momentos de saúde e alegria para alguns que foram apanhados pela "objectiva" indiscreta.
Publique-se e saúde para todos.”

Para todos  um  bom fim de Domingo e uma óptima semana…
 
sinto-me:
publicado por outeiroseco às 20:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 6 de Fevereiro de 2010

Quando o rio pequeno se torna grande (Parte 1)

Fizemos um apelo a uma nova rúbrica que consistia na publicação de textos com maior conteúdo, alusivos a episódios vivdos na nossa terra. De facto apenas o Nuno se tem mostrado disponível e por isso se publica este 2º texto. Voltamos a insistir no apelo, pois sabemos que felizmente, na nossa terra, existe muita gente a escrever bem e com conhecimentos que merecem ser públicos.
 

"Confesso que sou um pouco céptico, face aos movimentos que existem para salvar o mundo da ameaça das alterações climáticas. Para mim, as situações de secas ou de chuvas prolongadas, repetem-se sistematicamente ao longo do tempo e não tenho informação objectiva e abalizada para alterar a minha opinião. Os discursos apocalípticos dos ambientalistas, não me têm convencido de todo, assim como aos principais decisores do poder, tal como aconteceu ainda recentemente na Conferência de Copenhaga.

Desde os meus tempos de menino e moço, que fui convivendo ciclicamente com o fenómeno das cheias, quer as do rio pequeno, quer as do rio grande, embora quase sempre coincidentes.

Para os que morávamos nas zonas mais altas da aldeia como os do Eiró, as cheias eram uma festa. Quando coincidiam com as férias escolares, eram até um pretexto usado pelas nossas mães, para nos tirarem mais cedo da cama, dizendo – Ide ver o rio que vai tão grande, já cobre a fraga.

A fraga era uma rocha que ficava por baixo da ponte quase no centro do leito, e funcionava para nós como um indicador de medida da cheia. Se não cobrisse a fraga não havia cheia e o rio ia apenas grande, mas se cobrisse a fraga então já era uma cheia.

Na ponte debruçávamo-nos sobre as suas grades com os olhos fixos na água, dando-nos a sensação de viajarmos a grande velocidade, na proa de um navio imaginário.

Outro dos passatempos era a fazer barcos de papel e deitá-los à água. Deitávamo-los da parte de cima da ponte, e corríamos depois para o outro lado, para vermos quanto tempo eles se mantinham á tona da água, fazíamos autênticos campeonatos, para ver qual o barco que mais tempo flutuava sobre a água.

Mas as cheias eram também uma fonte de angústia e preocupação, em especial os que moravam nas zonas mais baixas, como os do Bairro do Papeiro. Quando o rio saía das suas margens quase sempre a Bagoeira, hoje rua das Flores, tornava-se num outro rio paralelo ao rio pequeno, que vinha desaguar a este, junto à capela da Sra. do Rosário. Uma vez a cheia foi tão grande, que a água continuou pela rua de baixo, e foi desaguar ao rigueiro do Pontão, junto à pedra de mesa.

Os moradores do Papeiro viveram muitas aflições, e como as cheias eram quase sempre pelos meses de Novembro ou Dezembro e tinham ainda os porcos na loja, estes eram os primeiros a por a salvo, transferiam-nos para lojas de vizinhos ou para as eiras, porque as cheias tenham um tempo efémero, em especial as do rio pequeno não durava mais que algumas horas.

Contudo, nenhum dos moradores do Papeiro viveu o drama das cheias, como o viveu o casal João Gonçalo e Adelaide Sousa. Não há dor maior para os pais, que a perda de um filho e estes perderam uma filha, que lhes foi levada pelo rio. Apesar de viverem no Papeiro, o drama ocorreu no caminho dos Pelames, mais propriamente nas poldras que havia para a passagem pedonal sobre o rigueiro. Estas poldras eram também utilizadas como lavadouros, em especial quando os do rio ficavam cobertos pela água.

Foi no início da década de cinquenta, o casal tinha já então três filhos, dois rapazes e uma rapariga. Os rapazes são o Aurélio, e Arlindo e a menina chamava-se Albertina. Esta era muito chegada ao pai, e sabendo que ele tinha ido para a veiga, decidiu ir ter com ele. Chegada aos Pelâmes, Albertina ainda muito pequena não soube medir o perigo que corria pelo elevado caudal do rigueiro, e ao atravessar as poldras caiu sendo arrastada primeiro pelas águas do rigueiro, depois pelas águas do rio pequeno que ia também muito grande, e por fim até ao rio Tãmega.

Foi só ao anoitecer e porque a Albertina não aparecia em casa, que os pais entraram em sobressalto, e deram o alerta. O povo voluntariou-se para procurar a menina junto às bermas, mas a procura foi infrutífera. Durante dias bateram-se todas as margens do rio pequeno, do rio grande, e nem sinais de Albertina. De permeio iam chegando algumas informações premonitórias da desgraça, como a de alguém que estando sobre Ponte Romana em Chaves, vira passar no rio algo que lhe pareceu uma criança.

Durante esse período a angústia em casa do casal aumentava, os gritos lancinantes da Sra. Adelaide e da restante família, ouviam-se de quase todos os cantos da aldeia.

As buscas não se limitavam à zona periférica do nosso termo, chegaram mesmo até à zona de Vidago. Foi nessa zona que se passou até um episódio, que apesar da tragédia, foi depois tratado com alguma comicidade.

Vinha o Sr. João Gonçalo acompanhado do seu irmão Lelo Gonçalo e do Quico Alonso de mais uma busca, e utilizavam como via a linha do comboio, que nesta zona é quase paralela ao rio. Ora, como ainda estavam longe de casa e o cansaço já apertava, ouviram o comboio aproximar-se e decidiram fazê-lo parar e aproveitar a boleia. Puseram-se então na linha a fazer sinais ao maquinista. Este perante o insólito da situação parou o comboio e perguntou o que se passava. O Sr. João disse tão só.

- Eu sou o pai da criança.

Durante muito tempo, e pese embora este episódio tivesse ocorrido numa situação dramática, o mesmo serviu para graça de muita gente na aldeia.

Como depois do mau tempo vem sempre a bonança, passados um dias desta tragédia, um moleiro de Curalha viu algo a brilhar no areal, junto à margem do Tâmega. Intrigado aproximou-se para ver a razão do brilho que era de uma argola em ouro, que pendia da orelha de Albertina, e que aí estava semi-enterrada na areia.

Anos mais tarde este casal viu a sua dor e mágoa um pouco amenizada, porque lhes nasceu uma outra menina. Diz o povo que uma cópia da primeira, e por isso lhe puseram o nome de Albertina, que hoje conhecemos por Albertina do Gonçalo."

Nuno Santos

       
         
sinto-me:
publicado por outeiroseco às 21:16
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Quem se lembra destas imagens?

A Corrida da Páscoa, a prova rainha da região está para breve e é bom recordar imagens alusivas a esta iniciativa. Esta prova que as imagens se referem foi uma das mais concorridas pela qualidade dos atletas, mas teve a particularidade das condições climatéricas. Não temos imagens da cena final de entrega das tas taças, mas garanto-vos que os intervenientes levaram uma boa molhadela .

sinto-me:
publicado por outeiroseco às 20:29
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010

Notícia de ultima hora..não o governo n caiu...o G. D. Chaves passa às meias finais

Feito notável..histórico..heróico..10 contra 11 ….Chaves passa às meias finais. Algumas fotos para recordar este acontecimento histórico…venha de lá o seguinte que queremos ir ao Jamor.

sinto-me:
publicado por outeiroseco às 22:55
link do post | comentar | ver comentários (44) | favorito

Hoje estamos com o nosso Desportivo

Uma foto de um torneio de Vilarelho…juventude animada

O desporto rei move muitas pessoas, em especial o sector masculino, quer na componente desportiva, profissional, comercial…emocional (olhem os comentários do amigo João!!! Paixão pura). Por isso não vale a pena esconder essa realidade e dizer isso é coisa menor. Lembramos este tema porque hoje joga o nosso desportivo..que bom que alcançasse a vitória e depois vir cá o Dragão (difícil  a opção…). Aproveito para informar uma grande iniciativa do Clube Ténis de Mesa de Chaves que neste Sábado, às 15h00, no Liceu, vai realizar o campeonato Nacional feminino da 2ª divisão. Como já temos uma mesa de ténis no salão polivalente, por cima dos balneários e  há alguns praticantes vamos lá a promover esta bonita modalidade.

Continuação de um bom dia e sejam muito felizes.
sinto-me:
publicado por outeiroseco às 18:34
link do post | comentar | ver comentários (31) | favorito
Quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2010

Uma geração acarinhada...

Quando temos falta de matéria para publicar lembramo-nos do passado…é defeito da peça. São as saudades de um povo unido que sabia distinguir o essencial do acessório e por isso a aposta na juventude era o mote. O ambiente era agradável e saudável e assim se formou uma geração de bons jovens que hoje dão  provas no meio onde estiverem inseridos. Voltem os tempos da união e da amizade em torno do que é fundamental...boa sorte a todos.

sinto-me:
publicado por outeiroseco às 19:38
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

Chegaram as cegonhas. É para darem cegonhinhas?

Ora sejam bem-vindas cegonhas da Ribalta. Também chegaram a  outros locais? Ainda não fomos ver. Esperamos que sim. A pergunta é desnecessária. Vêem mesmo para fazer criação. Essas modernices dos humanos ainda não são aplicáveis aos bichinhos. Nem mesmo a barulheira das máquinas da estrada impediram a sua instalação. Vale a pena gastar algum tempo a observar estas cegonhas e outras aves…um espectáculo….alimentação, acasalamento, protecção dos filhotes ..ensinar a voar e a partida…tudo recomeçará no próximo ano.

sinto-me:
publicado por outeiroseco às 20:21
link do post | comentar | ver comentários (27) | favorito
Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010

Assembleia Geral da AMA

Realizou-se ontem a Assembleia Geral da Associação Mãos Amigas para apresentação de contas de 2009. Por motivos pessoais o Blog não pode estar presente pelo que recebemos informação que correu bem, sendo aprovadas as contas do ano de 2009. Esperamos que os nossos habituais comentaristas nos possam fornecer mais informações.

Para 2010 esperamos a reclassificação do terreno doado à Associação no sentido de se dar início à  tão desejada obra para beneficio  de todos

sinto-me:
publicado por outeiroseco às 19:57
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.Mais sobre mim

.E-Mail

outeiro_seco@sapo.pt

.Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Posts recentes

. Quem conhece as atletas d...

. Que 2007 traga tudo do me...

. A todos um bom Natal...a ...

. A minha era um pouco mais...

. Faleceu a Srª Eugenia Adr...

. Aleluia... tardou mas che...

. Homenagem aos Outeiroseca...

. Vamos todos aos Santos..a...

. Museu Alberto Sampaio - G...

. Ainda o São Miguel 2016.....

.Links

.Arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. desporto

. história

. património

. primavera

. aldeia

. cultura

. direitos e deveres

. igreja

. mundo

. todas as tags

.Pesquisar neste blog

 

.As minhas fotos