Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Viva o Ambiente

outeiroseco, 30.05.10

Recebemos este bonito postal, vindo de Lisboa dos amigos Nuno e Celeste. Agradecimentos e esperamos que tenham desfrutado  dessas bonitas paisagens.

Há por vezes discussões que são completamente estéreis, quer sejam discussões no seio dos casais, como no seio da sociedade, e algumas existem apenas para marcar uma posição, sem qualquer preocupação do interesse público. Todos estarão ainda lembrados, da grande discussão em torno da incineração, e que abriu telejornais, foi debatido em programas televisivos, artigos de opinião em jornais e revistas eu sei lá.

Pois em minha opinião, o governo andou bem na decisão que tomou, ao implementar a incineração. Os impactes negativos desta medida são nulos, e a comprová-lo estão as imagens que acompanham este texto, recolhidas na Serra da Arrábida junto á Cimenteira do Outão, onde se faz incineração. E se algum erro há que apontar, é a autorização para a instalação da fábrica (Secil) neste local, mas esta já cá está há muitas dezenas de anos.

Ao invés a incineração desses lixos perigosos, veio diminuir os risco para a saúde pública, e a degradação da imagem ambiental.

A serra da Arrábida que fica situada na região de Setúbal e abrange os concelhos de Setúbal, Palmela e Sesimbra,  é das serras portuguesas com maior biodiversidade, e onde se encontram algumas espécies de plantas, únicas no país e no mundo.

As imagens foram recolhidas de uma caminhada de 15 km, feita ontem sábado, num dos muitos trilhos que ali se podem fazer, integrado num grupo de mais de setenta pessoas. É uma prática muito frequente a realização destas caminhadas na serra da Arrábida, e um exemplo a seguir noutros pontos do país.

Fica desde já aqui uma sugestão para que em Agosto, se organize em Outeiro Seco uma marcha, que nos leves do tanque à nascente (entenda-se mina do Cabeço) sempre à beira do rio. Com passagem pelos moinhos das Freiras e da Serragem, e visita das muitas represas que outrora se faziam para a rega dos lameiros. Fica a ideia a germinar e oxalá crie raízes e sobreviva.

Uma boa semana para todos.

Nuno Santos

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.