Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Concentração Motard animou a cidade

outeiroseco, 29.07.12
 
  
  

Decorreu, neste fim de semana, em Chaves, a tradicional concentração motard, na sua XI edição, ao que se sabe muito concorrida e animada. As fotos foram enviadas gentilmente pelo amigo João Santos…Por certo terá outras tb bem interessantes, mas ou por acanhamento ou “censura” não mas enviou. Já participei na organizei desse evento e bem sei o que por lá se passa… ficará para uma próxima vez … ficamo-nos pelo cartaz.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    joaojacinto 31.07.2012

    Ola para todos umas boas ferias, embora nao seja muito oportuno para aqui comentar, pois nada tem a ver. Mas como o pessoal nada conta sobre O. Seco, e como o Aão Caetano esta a porta. Vai o seguinte, quando era pequeno acompanhava sempre os familiares a referida romaria, em cima de uma burra. e lá iamos. de regresso era paragem obrigatoria na Torre, junto a uma fonte. Ai estava sentado um homem que era cego. Á nossa chegada ele procurou donde eramos, ao qual os meus familiares responderam O. Seco. Ele muito depressa diz " da terra do Pita", mais tarde vim a saber quem era o Pita. Tambem no livro Zebradas de Gil Santos, la conta uma historia do Pita. O Pita não era de Outeiro Seco Mas sim da Pastoria, sua mae foi creada da Familia Montalvão, era conhecida pela Pita Velha, era pelos vistos muito má, e seu filho ia muito por O. Seco. Chegou a roubar a familia Montalvão um cordão de oiro e um relogio. Alem das varias peripecias que se contam. Pois em breve lhes direi o seu verdadeiro nome. Pois o celebre Pita viria a ser capturado em Março de 1923, ele e a sua quadrilha numa aldeia do Minho, sendo conduzido para a cadeia de Chaves, pois na estação do comboio em Chaves, era milhares depessoas á sua espera, nem um heroi tinha sido recebido por tanto povo , tudo queria ver O celebre Pita.Joaojacinto
  • Sem imagem de perfil

    Nuno Santos 31.07.2012

    Olá João Jacinto,
    Hoje deixastes mais um pequeno contributo, da história de Outeiro Seco, mas quero lembrar-te que ainda tens pendente, a lenda da fonte do encanto, a qual ainda não concluíste.
    Quanto à história do Pita, efectivamente foi um pequeno bandoleiro, dos vários que houve nos finais do século XIX princípios do século XX, como o João Brandão e o Zé do Telhado, embora numa dimensão menor.
    O seu nome era António Pita, nascido na Pastoria. Contudo vinha muitas vezes a Outeiro Seco, porque tinha aqui família. O seu tio Belarmino Feijó que casara em Outeiro Seco, com Maria Ginja, e a sua mãe, Maria Pita que, estava de criada no solar dos Montalvões. A sua mãe foi inclusive proprietária da casa térrea ainda existente no Eiró, junto à igreja. Essa casa foi mais tarde vendida pelos Feijós, ao Sr. Manuel Félix, e este arrendado ao Tio Jarós, onde durante anos, manteve a sua oficina de latoaria.Hoje essa casa pertence à tia Bia que a comprou ao Sr. Manuel Félix.
    O Pita era tido na nossa aldeia, como pessoa de bem, diz quem o conheceu que nunca se ouvia uma asneira da sua boca, socializava nas tabernas da aldeia, com os homens do seu tempo, entre os quais os seus primos, António e Armando Feijó, embora se dissesse à boca pequena que, ele era o mandante de uma quadrilha, mas actuavam sempre noutras terras distantes onde não eram conhecidos.
    Ainda que fosse preso em 1923, não deve ter apanhado muitos anos de cadeia, porque há quem tivesse nascido depois de 1923 e se recorde bem dele nas visitas que fazia à família na nossa aldeia.
    Continua a partilhar mais informação da nossa terra, porque ficará para memória futura.
    Um abraço,
    Nuno Santos
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.