Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Excursão de outros tempos

outeiroseco, 31.07.12

Esteja em trabalho ou já de merecidas férias um grande abraço de amizade a todos que animam este cantinho da amizade… desculpem um destaque especial para o João Jacinto, que nos tem enriquecido com as suas lembranças e recolhas… bem haja amigo.

Hoje trazemos uma imagem das muitas excursões que se faziam, em tempos, de um ou mais dias e que muitas pessoas já não estão entre nós.

Não haverá nenhum episódio pitoresco para contar.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    joaojacinto 02.08.2012

    Boas tardes, em primeiro esclarecer o seguinte quanto ao Pita, segundo o que eu tenho "é Manuel Pita". Depois dizer ao Nuno , que quanto ao resto da lenda vai ter que esperar, e dizer que a mesma pessoa que escreveu essa lenda , não e de Outeiro Seco, e segundo a informação que recolhi ainda é vivo, e tem 70 e tais anos, assim como tem outro escrito sobre a festa da Senhora da Azinheira de outros tempos, e uma maravilha so quem o ler.Alem disso deixo-te aqui mais este desafio, eu não consegui saber mais, Maria das Dores Penedo, natural de Outeiro Seco, casou com Domingos Afonso Sanches este era Guarda Fiscal. e residia em Mairos em 1923, tambem nesta data de 1923 foi decretado o divorcio litigioso ate aqui cheguei mas naão consegui saber mais nada deixo para ver se tu das mais pistas. joaojacinto
  • Sem imagem de perfil

    Nuno Santos 02.08.2012

    Olá amigos,
    Correspondendo ao repto do João Jacinto, e porque gosto de partilhar tudo o que sei sobre a história de Outeiro Seco, aqui vai a informação solicitada, sobre o primeiro divórcio litigioso em Outeiro Seco. Maria das Dores Penedo, também conhecida por Maria Abade, era tia direita do meu avô Eurico, mãe do Manuel Abade, e avó do Aristides Afonso. Casou com Domingos Afonso Sanches que, tinha por alcunha de "Bornal".
    Como era guarda fiscal, fora colocado em Mairos, e mais tarde transferido para o posto de Vilarinho da Raia, vivendo em Vila Meã, onde arranjou uma amante. Quando Maria Abade teve conhecimento da traição, jamais aceitou o Domingos como marido, regressando a Outeiro Seco e ao Penedo, a casa do filho e que agora pertence Luís Silva.
    Por várias vezes o Domingos Afonso tentou a aproximação à mulher, só que esta nunca mais aceitou a reconciliação.
    Um abraço,
    Nuno Santos,
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.