Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

Outeiro Seco, Tradição e Modernidade

Aldeia transmontana

As nossas Camisolas

outeiroseco, 19.01.08

Há dias escrevi como comentário a um post deste blog, um pouco da história dos primeiros equipamentos desportivos na aldeia. Quando digo equipamentos desportivos, refiro-me obviamente às nossas camisolas. Mas quero agora complementar essa informação.

Curiosamente a família Dias, está desde sempre ligada à história do futebol na aldeia. É já conhecido que primeira bola de cautchú foi comprada em Lisboa, no ano de 1927 pelo senhor António Dias.

O primeiro equipamento completo, que era listado à Vila Real, para alguns que ainda o conheceram, considerado o equipamento mais bonito de sempre, foi adquirido pelo seu genro Amadeu na década de cinquenta, embora participado depois pelos restantes atletas.

Foi também o seu filho Aurélio Dias, que nos primeiros anos da década de sessenta, juntamente com outros dois companheiros, o Américo Novais e José da Costa Cunha, mais conhecido por Zé da São, através de um anúncio do jornal A Bola, da Casa Sórios, uma firma especializada em material de desporto em Lisboa, que ainda existe no Intendente, encomendaram as camisolas vermelhas com o colarinho branco e apertavam no peito com um cordão branco. Curiosamente o Aurélio e o Américo são sportinguistas.

O pior foi quando chegou o aviso para levantar a encomenda, o preço da mesma eram 140$00.

O Zé foi à gaveta da mãe que tinha taberna e arranjou facilmente a parte dele. O Américo com maior ou menor dificuldade também. O Aurélio teve mais dificuldades. Lá em casa não havia dinheiro. Na época, a forma de o conseguir era fazer umas jeiras ou então subtrair aos pais uns razões de batatas ou uns alqueires de pão, que se vendiam nas tabernas.

O facto é que o dinheiro lá apareceu e as camisolas também. Mas um equipamento é composto de camisola e calção. O Aurélio comprou em Chaves tarja branca, e a sua prima Lula principal costureira da terra, fez de graça os calções completando-se assim o segundo equipamento desportivo da aldeia, que muitas vitórias e glórias nos deram.

Desde aí a aldeia conheceu outros equipamentos multi colores, razão pela qual eu defendo que se deve adoptar um equipamento modelo, que identifique a aldeia e lhe dê uma continuidade no futuro.

Nuno Santos

 

2 comentários

Comentar post